©
I never hit so hard in love.
Felicidade é quando a boca é pequena demais pro tamanho do sorriso que sua alma quer dar.
“Sometimes you can’t explain what you see in a person. It’s just the way they take you to a place where no one else can.
Unknown. (via icanbeyourcocaine)
“Mas a verdade é que bate um medo danado de perder tudo aquilo, perder o outro, perder o companheirismo. Bate um medo danado de ficar sozinho, de ter feito burrada e errado, de sentir falta (você vai sentir, com certeza) e coisas do tipo. Admitir que é apego congela a gente, e é preciso coragem pra sair dessa inércia e resolver correr atrás de outra chance de ser feliz (ou quebrar a cara).
Daniel Bovolento. (via icanbeyourcocaine)
“Caiu finalmente a minha ficha do quanto você é, tão e somente, um cara burro. E do quanto você jamais vai encontrar uma mulher que nem eu nesses lugares deprê em que procura. E do quanto a sua felicidade sem mim deve ser pouca pra você viver reafirmando o quanto é feliz sem mim e principalmente viver reafirmando isso pra mim.
Tati Bernardi. (via icanbeyourcocaine)
“Calma. É só se manter longe. Longe, bem longe. Que longe nada afeta. Ou quase nada.
Caio Fernando de Abreu. (via r-e-a-b-i-t-a-n-d-o)
“Amor só existe a dois. Amor sozinho chama-se tristeza.
Caio Augusto Leite.   (via auroriar)
“Duvido que você não me procure nas biscates que você pega por aí, sempre tão vazias. Vazias igual a sua liberdade idiota que nunca te serviu pra porra nenhuma. Talvez esse seja o nosso problema, eu sou completa demais pra sua vidinha mais ou menos.
Tati Bernardi.  (via icanbeyourcocaine)
“Poxa cara, eu te disse tantas vezes. Lembra? A vez que eu gritei e te chamei de babaca puxando a sua camisa e olhando dentro dos seus olhos que você não podia me perder. Aquela vez que eu chorei de saudade, que eu abafei meu grito no travesseiro só pra não te contar o quanto estava me matando certas atitudes suas, que eu te mandei sms no meio da noite dizendo que você não podia me deixar assim, que eu precisava de você naquele exato momento e você nunca estava disponível pra mim, sendo que eu sempre estava disponível pra você. Aquela vez que te liguei pra te pedir desculpa por algo que eu nem sabia se era eu que estava errada ou não, mas que não importava, ficar num clima frio com você fazia-me quebrar todo aquele meu orgulho. E você, logo você, que tanto dizia não ter orgulho quando o assunto era nós, não atendia. Aquela vez que eu não quis dizer o que me incomodava e no fundo quis tanto que você insistisse pelo menos um pouquinho, que mostrasse interesse ao saber o que estava se passando comigo, mas não, você simplesmente deixava pra lá e tudo bem. Mas quer saber? Cansa. Eu não vou te pedir atenção, carinho, compreensão e interesse. Porque isso não se pede. E eu tentei tanto, tanto, pra você pelo menos querer saber o que me incomodava, mas você nunca quis saber. Mas cansa, cara. Cansa achar que você é tudo, quando na verdade é um nada. Quando na verdade, você queria ser tudo pra pessoa, sendo que ela é tudo pra você. Só espero que um dia você olhe pra trás e sinta falta, falta de saber que tinha algo em suas mãos e perdeu, perdeu por ser tão estúpido a ponto de preferir um copo de vodka na mesa do que largar esse seu orgulho. Perdeu, e agora é tarde demais.
Brenda G. (via evidence-s)
“Ele te entende como ninguém, e o pior disso tudo, é que ele tem todas as armas nas mãos. Ele pode te fazer feliz, assim como também pode acabar com você com uma palavra.
Brenda G. (via evidence-s)
“Que droga é essa? Que vontade é essa que eu tenho de você que a cada dia que passa só tende a aumentar? Que medo é esse de te perder? Que saudade é essa de você que pisa com salto alto agulha no meu peito? Que vontade é essa de te ter na minha cama a cada anoitecer e a cada amanhecer? Que vício é esse de te ter só pra mim? Me diz o que é isso. Porque isso já passou de vício, vontade, medo. Isso tudo já passou de amor.
Brenda G. (via evidence-s)